10 comidas de que uma emigrante Portuguesa mais tem saudades 2

Cada vez mais há Portugueses a emigrar. Seja pela crise, para estudar, para encontrar novos desafios ou por qualquer outra motivação, o acto de emigrar acarreta indubitavelmente uma grande perca. Quem emigra deixa para trás a nossa gastronomia, com todos os pratos, petiscos e doces que a caracterizam.

Feita esta introdução, a delica10a de hoje é escrita pela Filó, amiga de longa data da trupe do em10taque. A sua profissão – emigrante profissional! Já esteve a viver em vários países e não tem dúvidas em afirmar que a falta da comidinha da mãe é das coisas que mais saudades lhe trazem. Estas 10 comidas de que uma emigrante Portuguesa mais tem saudades foi elaborada sobre uma forte dosagem de comprimidos, que ela utiliza para atenuar a ansiedade que os pitéus da comida de Portugal lhe causam!

 

10. Broa de milho

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHá emigrantes com sorte (ou sabedoria) que vão parar a países onde o pão não tem validade de seis meses. Há outros que não. Um belo pão de mafra, ou um pão alentejano são difíceis, e muitas vezes impossíveis de encontrar (e já agora, como é que um Tuga-emigra faz uma açordinha?). São difíceis de encontrar e fazem saudade. Aqui vou falar de uma saudade especial minha. A da Broa de Milho, porque junto com o queijinho de Seia, o Caldo Verde e a Marmelada, já teríamos um manjar de fazer as delícias de muito expatriado. E não se enganem, que há por aí países que vendem “corn bread”. Não, não fiquem já a pensar na crosta crocante e miolo húmido. Não. Eu caí nesse erro. Um empregado de mesa ofereceu-me uma fatia de “corn bread” para acompanhar uma sopa-guisado. E eu salivei, a imagem da broa a desfazer-se na boca deu-me literalmente arrepios. Não, não era broa. Era uma fatia de bolo quadrada, doce e amanteigado. Não me interpretem mal, não é que não tenha gostado, é que não era Broa. A nossa Broa.

9. Queijo fresco ou requeijão

09.Queijo FrescoQuem alguma vez fez dieta em Portugal ouviu dizer que pode comer queijo fresco em vez de manteiga. Se há países onde tal substituição é possível, há outros onde não. A razão? Desconheço, mas desconfio que a regulamentação nesses países que não vale aqui a pena nomear, proíbe a venda de produtos com menos de 50% de gordura e 250 calorias. Não é só pela dieta que falo do queijo fresco. É que o queijinho fresco é daquelas simplicidades portuguesas que temperado com sal e pimenta se torna num manjar dos Deuses. E nem falo de Requeijão de Seia pois só o pensamento me coloca os pelos em pé, o coração acelerado e a boca a salivar…perceberam a ideia, não é? Querem emigrar? Olhem que não há queijinho de Seia!

8. Bolo Rei

08.Bolo ReiMais uma vez não é para todos. Há esquisitinhos que não gostam da fruta cristalizada. Mas é símbolo do Natal em Portugal. E que coisa pode dar mais saudade do que as tradições natalícias da nossa terra? Propositadamente vou ignorar as angustias das compras natalícias que adulteram o Natal nacional. Concentremo-nos no Bolo Rei. King Cake, parece que há nalguns sítios e Panetone e Galette des Rois. Sim, sim, pois. Mas não é Bolo Rei, que tanto fresco como torrado com manteiga é símbolo do nosso Natal. E não se encontra no estrangeiro. Eu nunca vi. A boa notícia é que os ingredientes se encontram e com a devida paciência até se pode fazer um Bolo-Rei jeitoso. Com a vantagem que, se for feito em casa, podemos voltar a pôr-lhe o brinde e a fava sem que a ASAE se chateie. Saudade, mas non troppo!

7. Farinha Pensal

07.Farinha PensalConfesso. Esta é uma coisa muito pessoal, mas caso haja por aí mais Pensaólicos aqui fica o conselho de emigrante – farinha Pensal é coisa Tuga! E como coisa Tuga que é, não se encontra em nenhuma outra parte do mundo (pelo menos naquelas por onde andei). Dá saudade porque relembra os pequenos almoços da infância. E, por muito que se perscrutem os corredores dos supermercados por esse mundo fora, não se encontra. Como se o estrangeiro não acreditasse que as suas crianças cresceriam mais felizes com papas de chocolate. Por isso, aqui fica o conselho. Caso a Farinha Pensal faça parte da vossa vida, reservem um espacinho na bagagem para a levar convosco. Eu assim faço.

6. Ginjinha

06.GinjinhaCom elas ou sem elas? Em copo de chocolate, ou no barrilzinho de barro? A ginjinha é de tradição nacional e por muito licores de cereja que se provem não se encontra a dita coisa. É que leva ginja (já difícil de explicar ao estrangeiro (em inglês chama-se “bitter cherry”), quanto mais de encontrar). E depois leva aguardente. Que é uma espécie de grapa ou vodka, mas não é bem, e que traduzimos com um sorriso nos lábios como “fire-water”. Eles ficam na mesma e nós ficamos augados. Com elas ou sem elas, para mim, a caseira do meu pai, em copo de chocolate.

5. Caldo Verde

05.Caldo VerdeSopas vão-se encontrando, por esse mundo fora. Umas mais ao nosso gosto nacional, outras menos, mas vão-se encontrando. Na Rússia fazem o Borscht, na Espanha o Gaspacho, na Bélgica, a sopa de castanha, na França, Vichyssoise. Nos Estados Unidos confundem sopa com guisado. Há sopas, mas não há caldo verde! Não há caldo verde porque não há couve portuguesa, porque não há chouriço e porque não há a nossa avó a cortar a couve fininha como cabelo de anjo. Não há e faz saudade. Já agora, foi há pouco que descobri que o legume mais parecido com couve portuguesa se chama em inglês “collard green”. Aqui fica a informação. Não é o mesmo, mas disfarça!

4. Marmelada

04.MarmeladaMarmeladas há muitas. Para os italianos, todas as compotas são marmelada. Para nós é estranho. É que marmelo há só um. E vai lá procurar marmelada por esse mundo fora. Há emigrantes com sorte, que emigram para países sul americanos, onde o “membrillo” faz parte da panóplia de compotas à disposição. Há emigrantes com menos sorte, onde nem sequer o próprio do marmelo se encontra. E vamos outra vez explicando aos senhores do supermercado: é uma fruta, assim como a maçã, mas mais dura. Não se pode comer crua porque fica a boca encortiçada (não sei bem como traduzi encortiçada ao senhor do supermercado, mas fiz um gesto explicativo com a língua). Não, não é dióspiro – também raro mas lá se encontra – e faz-se uma compota assim que se corta à faca… por esta altura já o senhor do supermercado pôs os olhos em bico. E lá voltamos nós para casa, sem marmelo, nem marmelada e com a vontade de a comer. E se para mais tivéssemos um belo requeijão?

3. Caracóis

03.CaracóisAh, pois é. Controversos. Dividem Portugal ao meio. No Norte dizem-se nojentos. No Sul são petisco. Seja como for, um bom caracol com uma “bjeca” fresquinha é uma iguaria que eu e muitos emigrantes gostaríamos de encontrar fora de Portugal. É que caracóis não são bem os “escargot” (recheados e cenas). Os caracóis são um estado de espírito nacional. Vamos à caracolada depois da praia, com pão quentinho e manteiga que escorre pelos dedos. Partilhados duma mesma travessa enquanto se discute que o Clube X compra os árbitros e que isso não pode ser porque o Clube Y já tinha comprado antes. Ou se discute a última gafe do político da ocasião. Pois é. Os caracóis são nossos, como o fado e Fátima e deixam saudade ao emigrante. E vá-se lá explicar que nós comemos “snails” como eles comem “cacauetes”.

2. Pastelaria

02.PastelariaQuando estamos fora de Portugal, uma das saudosas memórias é o Pastel de Nata. Aquela maravilha crocante por fora com um creme tão cremoso por dentro, que transforma ateus em crentes fervorosos. No entanto a saudade generaliza-se a outras iguarias de pastelaria. É que em Portugal, não há só Pastel de Nata – que descanse no céu o seu criador. Também há o Travesseiro de Sintra, e as Queijadas do mesmo local,  o Palmier Recheado, o Rim (para mim, de chocolate), o Queque, a Bola de Berlim com creme, o Bolo de Arroz, a Trança, o Mil-Folhas e outros mais ou menos conhecidos: a Palma, a Tigelada, o Caracol as Castanhas de Ovo….enfim, todas aquelas doçarias pelas quais éramos capazes de vender a nossa tia quando estamos no estrangeiro. É claro que há países que compensam na doçaria, mas até me apresentarem um bom Pastel de Nata, eu continuo na minha. E não há muffin ou brownie que nos acalme a saudade!

1. Bacalhau

01.BacalhauMais cedo ou mais tarde, quando vivemos no estrangeiro lá chega a pergunta do que se come em Portugal. Quase por instinto respondemos bacalhau. Bacalhau? Sim, mas do seco. Seco? Sim, é pescado, salgado e seco. E nós comemos toneladas do dito por ano. E há 1001 maneiras de o cozinhar (normalmente deixamos de fora que 90% destas incluem variações de cebola, batata e bacalhau em diversas proporções e ordens). Mas produzem bacalhau? Não, vem da Noruega…O quê? Mas comem o peixe seco? Não. Demolhamos…mas porque é que não comem o fresco? Ora bem, por esta altura já estamos a desistir da conversa que nos deu fome e uma imensa vontade de um Bacalhau à lagareiro. Pois vos digo. No estrangeiro é difícil, se não impossível de encontrar o bacalhau e as saudades são mais do que muitas. Que o digam alguns emigrantes que quando encontram bacalhau, se sentem como se tivessem encontrado um filão de ouro. “Pessoal, no Gourmet-ali-da-esquina vendem uma posta por 25 dólares” E não é que damos por nós a pensar que 25 dólares até é razoável para tão gostosa aquisição. E depois, até se podem comer pataniscas…

 

A Filó é professora e investigadora em Economia e a sua profissão já a levou a viver em vários países da Europa. Neste momento vive nos Estados Unidos onde se dedica a analisar jogos aplicados à economia. A escrita faz parte da sua vida através de blogues, que intermitentemente actualiza,  e dos seus artigos académicos. O tempo máximo que consegue estar longe de Portugal e da sua gastronomia são dois meses. Afirma que a partir daí a abstinência do bacalhau lhe traz urticária e que não tem outro remédio senão voltar ao nosso cantinho para um regime de bacalhau, pastel de nata e vinho do Porto!

 

 

Artigos Relacionados:

10 locais a visitar em Cascais
10 desportos de prancha na água
10 conventos e mosteiros de Portugal
10 museus a visitar no Porto

2 comentários a “10 comidas de que uma emigrante Portuguesa mais tem saudades”

  1. Carla Ideias diz:

    Ah pois! O espírito viajante também faz parte da historia da nação, mas voltar a santa terrinha e romaria obrigatória, não só pela família e amigos mas também para dar conforto ao estômago! Eu confirmo com conhecimento de causa q de norte a sul do pais a nossa dieta e tao diversificada quanto farta, duas coisas q não são coincidentes em muitos outros países! Nos meus dez preferidos
    (e remetendo-me as minhas saudades de casa, mesmo sendo imigra e não emigrante)teria de acrescentar o pao de lo de ovar e as sardinhas na brasa, pela mao do meu pai! 🙂

  2. Anabela Lemos diz:

    Eu sou mais Nestumólica e um bom vinho verde em vez da ginginha!!! Que saudades de ir a Portugal!!!! 🙂 beijinhos
    PS Nao se pode esquecer da bola de berlim com muito creme e açucar ehehehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

404